Psicologia

URI Permanente para esta coleção

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 6
  • Item
    Estigma e preconceito dirigido a pessoa com esquizofrenia
    (UNISA, 2023) Siqueira, Larissa Araújo
    Essa pesquisa tem o objetivo de realizar pesquisas em artigos sobre as informações de discriminação com portadores de esquizofrenia e sintetizar suas contribuições para a Psicologia, assim como seus tipos e usos. Durante o desenvolvimento da revisão bibliográfica será utilizada a abordagem qualitativa para análise dos artigos relacionados ao tema selecionado.
  • Item
    O tratamento do transtorno de ansiedade generalizada (TAG) através da terapia cognitivo comportamental
    (UNISA, 2019) Santos, Silvana Reimberg dos
    O presente trabalho apresenta o tratamento de Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) e subtipos através Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC). Tendo em vista que os Transtornos de Ansiedade Generalizada envolvem diversos fatores, tanto em suas causas, quanto no seu tratamento, para colaborar com profissionais e/ou pacientes, esta pesquisa propõem a revisão bibliográfica de estudos realizados referentes ao tratamento com a TCC em quadros de transtornos de ansiedade e a utilização de técnicas de tal abordagem. Assim, efetuaram-se buscas nas bases de dados Scielo e PEPSIC, entre os anos de 2012 a 2019. Desta maneira, foram revisados 18 artigos com propostas de tratamentos para quadros de ansiedade em crianças, adolescentes, adultos e idosos, diferentes tipos de intervenções, instrumentos e tratamentos individuais e em grupo. Concluiu-se que os métodos da TCC apresentaram efetividade no tratamento de transtornos de ansiedade generalizada e outros transtornos de ansiedade resultando com melhoras significativas, e que o tratamento individual se mostra como mais utilizado.
  • Item
    Psicologia feminista e violência doméstica: uma revisão integrativa
    (UNISA, 2019) Silva, Myrela Fernanda Santos da
    O objetivo deste estudo é analisar a produção científica sobre a efetividade da Psicologia Feminista como tratamento para os traumas gerados pela Violência Contra a Mulher. A Violência Contra a Mulher é um problema de saúde pública e uma violação aos direitos humanos, causado e legitimado pela cultura patriarcal e geralmente cometido pelo parceiro íntimo, em ambiente doméstico. É responsável pelo desenvolvimento de transtornos mentais, como depressão, ansiedade, estresse pós-traumático, experiências dissociativas e suicídio das vítimas. A Psicologia Feminista, preocupada com a mudança social, é uma área de estudos de gênero e uma forma de tratamento que torna o espaço terapêutico politizado e que assim, foca em proporcionar a emancipação feminina por meio da informação e de estratégias de resistência à violência sofrida; amplia o olhar interseccional para as demais opressões e busca a igualdade entre os sexos. Trata-se de uma revisão integrativa de textos completos, em português e em inglês, com recorte temporal dos últimos quinze anos, recuperados no Google Acadêmico, SciELO, Busca Integrada da USP, BVS-Psi e LILACS. Utilizou-se os descritores: Psicologia Feminista, Violência e Violência contra a Mulher. Os trabalhos revisados explicitam o impacto positivo do acolhimento contextualizado, da escuta diferenciada de gênero, da reflexão sobre o abuso e da fala engajada. Estes fatores proporcionam à mulher uma tomada de consciência, a qual a tira do papel de vítima e permite que a mesma ressignifique as experiências traumáticas. Por fim, a Psicologia Feminista se mostra efetiva, porém se faz necessário produção de mais estudos sobre.
  • Item
    Como o luto traumático pode afetar a saúde psicológica dos pais após a perda de um filho
    (UNISA, 2022) Carneiro, Leticia Aparecida Dantas; Rocha, Tiely da Silva Verissimo
    O estudo busca a temática do luto traumático e os danos psicológicos causados por uma morte inesperada. Definir o processo de luto é algo extremamente complexo quando consideramos que cada indivíduo lida com essa experiência de uma forma única e individual. Sua vivência se dá a partir das relações, forma da perda e encarar essa ausência, grande parte das vezes gera muito sofrimento. A perda é um dos processos mais desorganizadores da vida humana e provoca desequilíbrios como, raiva, desânimo, cessação de interesse pelo mundo externo, além dos sintomas físicos como dores no peito, falta de ar, insônia. A investigação utilizou da metodologia qualitativa (entrevista semiestruturada), sendo realizadas 4 temáticas dentro do assunto do luto traumático. São elas: Luto e Medicalização, Crise de ansiedade, Inconstância de emoções e Reconstrução da rotina. A pesquisa realizada teve por objetivo identificar os principais sintomas que uma mãe carrega após passar por uma perda de forma traumática e compreender a dimensão das dificuldades enfrentadas no dia a dia. Também foi levantado dados sobre como os demais integrantes da família lidam com a perda. Essas informações foram trazidas pela entrevista realizada com a mãe. Conclui-se que após passar pelo luto traumático, a família teve alterações significativas na dinâmica familiar. Cada ser passa de forma única pelo processo de Luto, e diante dos dados colhidos, a dimensão dos acontecimentos acarretou uma mudança brusca no comportamento dos pais. Os dias se tornaram carregados, voltar a rotina foi difícil, e muito se deu pela vida do filho mais velho, e ainda assim não está completa. Há uma negação da parte paterna, e a relação da mãe com a medicação é muito forte e totalmente dependente, acarretando crises de depressão e ansiedade quando não é feito o uso deles.
  • Item
    Serviço-Escola de Psicologia: uma revisão de literatura
    (UNISA, 2015) Oliveira, Jeremias; Silva, Thawana de Oliveira; Souza, Valéria Ribeiro
    As práticas desenvolvidas pela instituição de formação em psicologia com o objetivo de aprimorar a formação de seus graduandos foram denominadas “serviços-escola”. De acordo com o Conselho Federal de Psicologia (2013), surgiram juntamente com a regulamentação do profissional psicólogo. Dessa forma, o exercício destes serviços é também parte do cumprimento de exigências legais tanto para a normatização da formação, quanto para a validação do profissional enquanto psicólogo. Este trabalho objetivou buscar, organizar e descrever publicações científicas em plataformas eletrônicas sobre as formas do fazer psicológico em serviços-escola a fim de ampliar a discussão a respeito dos instrumentos e métodos utilizados, além da reflexão acerca do papel da instituição e do sujeito atendido que, neste caso, representa a comunidade. A hipótese formulada foi de que há poucas produções nesta área e as existentes não exploram as variáveis necessárias que contemplem a busca, continuidade e encerramento do processo disponibilizado nas clínicas de serviços- escola. Para a coleta de dados, utilizou-se a busca de trabalhos na biblioteca virtual de artigos na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS-Psi), PEPsic, Lilacs e Scientific Eletronic Library Online (Scielo), indexadas desde o ano de 2000 até 2015. Os descritores utilizados foram: serviço-escola e clínica-escola. Foram utilizadas publicações que evidenciam questões que permeiam os processos realizados em clínicas-escolas de psicologia, como a caracterização da clientela atendida pela instituição, os principais objetivos da clínica, triagem, atendimento infantil e evasão. Com base na revisão realizada concluiu-se que em vista da relevância do tema, foram poucas as publicações e obras disponíveis localizadas. A quantidade em questão se torna ainda mais restrita ao considerar as pesquisas e trabalhos recentes ou ainda, que abordem temas pouco ou nunca antes explorados, corroborando uma das hipóteses iniciais sobre a importância da revisão e dos trabalhos de pesquisa sobre os serviços-escola de psicologia