Veterinária

URI Permanente para esta coleção

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 68
  • Item
    Frequência da brucelose canina em cães atendidos em campanhas de controle populacional animal na região sul do município de São Paulo
    (UNISA, 2018) Feitosa, Catherine Biondo
    A domesticação de cães tornou a convivência do homem cada vez mais próxima e afetuosa com estes animais. Nos últimos anos, a forte interação da sociedade com os animais de companhia, faz com que a atenção á sanidade dos mesmos seja despercebida. Dentre as inúmeras doenças que acometem os cães, destaca-se, a brucelose canina como uma doença infectocontagiosa e de caráter zoonótico. A espécie de Brucella que acomete os cães é a Brucella canis, que ocasiona desordens reprodutivas em machos e fêmeas, prejuízos aos criadores de canis comerciais, além de apresentar riscos aos manipuladores e tutores dos cães por ser considerada uma importante zoonose que pode acometer o homem, através contato com animais infectados ou materiais contaminados por B. canis, de modo que, coloque em risco a saúde humana. O objetivo desde trabalho foi avaliar a ocorrência de anticorpos anti-B. canis e anti-B. abortus em cães provenientes da Ilha do Bororé localizada no extremo sul do município de São Paulo. Foram examinadas 50 amostras de soro de cães de idade e raças variadas e de ambos os sexos, colhidas durante campanhas de esterilização cirúrgica realizadas. Para a pesquisa de anticorpos anti-B. canis, as amostras foram testadas por meio do teste de imunoensaio cromatográfico. Quanto à pesquisa de anticorpos anti-B. abortus, as amostras foram submetidas à prova do Antígeno Acidificado Tamponado (AAT), reconizada pelo Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose (PNCEBT). Diante disso, de acordo com os resultados apresentados, conclui-se que, no local não foram encontrados resultados sorológicos positivos através do uso de provas sorológicas sensíveis e específicas para a detecção de B.canis e B. abortus.
  • Item
    Raiva animal nos centros urbanos: emergência da doença em morcegos hematográficos
    (UNISA, 2018) Borges, Ariane Justolin
    Descrita desde 2300 anos antes de Cristo a raiva acabou se tornando uma zoonose cuja distribuição é mundial capaz de infectar espécies de mamíferos domésticos e selvagens. Embora apresente dois ciclos básicos de transmissão, o ciclo silvestre é o que gera maior preocupação, seu reservatório de hábito hematófago propicia a circulação do vírus, devido sua capacidade de se adaptar a ambientes urbanos, além disso os morcegos não são portadores assintomáticos, também adoecem e morrem em decorrência da raiva, sendo responsáveis pela disseminação da doença. Portanto os morcegos hematófagos e os não hematófagos podem acarretar uma reintrodução da doença em populações de caninos e felinos, devido a impossibilidade de se realizar a eliminação deles no meio ambiente, afinal eles têm um papel de suma importância. Logo o objetivo desse estudo através da revisão bibliográfica, é demonstrar como os morcegos tem um papel importante no que diz respeito a saúde pública em áreas urbanas. Através de uma seleção e análise criteriosa de artigos, dados foram obtidos sobre a situação da raiva no Estado de São Paulo nos últimos dez anos (2008-2018).
  • Item
    Sêmen sexado bovino: a produção de embriões in vitro é influenciada pelo touro doador do material genético?
    (UNISA, 2017) Serafim, Priscila Rodrigues
    O objetivo deste estudo foi avaliar a possível influência do touro doador de sêmen sexado na taxa de formação de blastocistos e resultados de concepção de embriões produzidos in vitro. Para este experimento foram utilizadas 29 vacas holandesas doadoras de embriões de uma única fazenda situada no município de Rio Vermelho/MG. As doadoras bovinas foram selecionadas de acordo com sua produção leiteira, histórico reprodutivo e mérito genético. As vacas foram submetidas à aspiração folicular e houve uma seleção dos ovócitos viáveis, que foram fertilizados com material genético sexado de fêmea de sete touros da raça Gir. A taxa de formação de embriões no cultivo in vitro e a taxa de concepção após a transferência de embriões (TE) foram computadas. Os resultados obtidos foram analisados através de teste Qui-quadrado utilizando software Graph Pad Prism Instat 5.0®, considerando nível de significância de 5% e tendências foram consideradas quando 0,05
  • Item
    Efeito paradoxal do antioxidante quercetina sobre a cinética e integridade de espermatozoides caprinos submetidos a criopreservação
    (UNISA, 2018) Borges, Marcelo Sant'Ana
    Durante o processo de criopreservação ocorre a morte de um número significativo de espermatozoides em função da geração de altas concentrações de espécies reativas de oxigênio (EROS). Embora fundamentais para o desencadeamento de diversos eventos de sinalização celular, incluindo a regulação da maturação, capacitação, reação acrossomal e hiperativação espermática, altas concentrações de EROS podem levar a lesões irreversíveis à ultraestrutura da célula espermática das diferentes espécies domésticas. Como estudos anteriores demonstraram a efetividade do antioxidante quercetina (QC) para a proteção de células espermáticas, o objetivo desse estudo foi avaliar a incorporação de diferentes concentrações de QC aos meios diluidores voltados à manutenção de espermatozoides caprinos congelados. Ejaculados de 4 reprodutores adultos da raça Anglo Nubiana (n=4 ejaculados/bode) foram colhidos através de vagina artificial e diluídos em solução de Ringer com Lactato de Sódio aquecido à 37°C para remoção do plasma seminal através de centrifugação. As amostras espermáticas resultantes foram diluídas em meio TRIS gema de ovo frutose, atendendo a concentração de 120x106 espermatozoides/ml de meio e separados em grupos: G1 Controle (G1, sem adição de antioxidantes); G2 (adição de 10μM de quercetina no meio diluidor após a centrifugação); G3 (adição de 10μM de QC no diluidor antes da centrifugação) e G4 (adição de 10 μM antes e 10 μM após a centrifugação, totalizando 20μM de quercetina ao meio diluidor). Após a divisão dos tratamentos as amostras foram envasadas em palhetas de 0,5 ml e submetidas à curva de refrigeração em geladeira previamente ajustada a 5°C até a temperatura de estabilização, quando então foram transferidas para a congelação em vapor de nitrogênio líquido. As amostras foram avaliadas quanto à cinética espermática (ISAS V.1.2, Valência, Espanha) e submetidas à análise de integridade de membrana plasmática (IMP, %) em microscopia de epifluorescência. Os dados gerados foram avaliados através de modelo linear geral (GLM). Após o procedimento de congelação e descongelação foram observadas redução na motilidade espermática (P = 0,0014), motilidade progressiva (P = 0,0029) e velocidade de trajeto (P <0,0001) nos tratamentos com quercetina. A integridade da membrana plasmática foi melhor preservada (P = 0,0154) no grupo controle (35,47%) do que nos grupos com a introdução da QC (G2 = 32,56%; G3 = 32,38% e G4 = 26,74%) levando a crer em um efeito deletério dose dependente, onde a maior concentração de quercetina levou a uma menor preservação da integridade de membrana plasmática. Em conclusão, mesmo usando doses recomendadas pela literatura, o antioxidante quercetina teve efeitos tóxicos para os espermatozoides de caprinos submetidos a criopreservação.
  • Item
    Síndrome da disfunção cognitiva: revisão
    (UNISA, 2021) Correia, Natália Pereira
    Com o envelhecimento dos animais de estimação, as enfermidades começam a se sobressair e alguns dos problemas que os animais não apresentavam, começam a surgir devido a maior qualidade de vida ofertada aos animais, dentre eles os problemas característicos da idade, como a alteração comportamental e a disfunção cognitiva. A interligação entre a disfunção cognitiva e o comportamento podem ser distinguidos pelo acrônimo DISHAAAL, no qual sintetizam as principais alterações apresentadas pelos animais, sendo grande parte delas relacionada a desorientação, memória, aprendizagem e reconhecimento. Os processos que desencadeiam estas alterações no cérebro ainda precisam ser melhores estabelecidas, porém estão relacionadas com a deposição de substância beta-amiloide e proteína tau no cérebro, promovendo alterações físicas possíveis de ver através dos métodos diagnósticos. O diagnóstico da síndrome é dado pela exclusão clínica associada a imagem, quanto a terapia utilizada no tratamento, é associada a terapia medicamentosa, dietética e o manejo ambiental. Atualmente muitos estudos ainda estão sendo desenvolvidos para fornecer melhor diagnóstico a cerca da doença e fornecer melhor qualidade de vida aos animais.