Pesquisa sorológica em cães e pesquisa molecular em carrapatos para febre maculosa brasileira no município de Itu - SP

Imagem de Miniatura
Data
2017
Autores
Carvalho, Tânia Regina Vieira de
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
UNISA
Resumo
A febre maculosa é uma doença grave e letal para o ser humano causada pela bactéria Rickettsia rickettsii. Na região metropolitana de São Paulo, onde a população estimada é de 20.000.000 de habitantes, o agente etiológico é transmitido pelo carrapato Amblyomma aureolatum, mas no interior desde Estado, o vetor da doença é o Amblyomma sculptum. O ciclo epidemiológico de transmissão tem sido intensamente estudado e muitos dados foram gerados na última década, no entanto elos importantes como o papel dos cães, hospedeiros destes carrapatos, ainda necessitam ser elucidados. Este projeto objetivou: a) avaliar a frequência sorológica nos cães atendidos no centro de controle de zoonoses (CCZ) do município de Itu, SP, quanto à presença de anticorpos anti- Rickettsia rickettsii; Rickettsia parkeri e Rickettsia bellii b) pesquisas moleculares quanto a presença da bactéria do gênero Rickettsia em carrapatos coletados em cães. Foram colhidos sangue de 289 cães, sendo 252 da zona urbana e 37 da zona rural; 875 carrapatos, sendo 198 coletados de cães residentes da zona rural e 679 de cães residentes da zona urbana. As espécies encontradas foram Rhipicephalus sanguineus, Amblyomma aureolatum, Amblyomma ovale e Amblyomma sculptum. Foram testados 198 carrapatos da zona rural: a) 20,2% (40/198) dos carrapatos para Rickettsia sp. na PCR Real Time; b) 6,06% (12/198) para o gene glta; c) 2,52% (5/198) para o gene ompA na PCR convencional. Na zona urbana foram testados 206 carrapatos: a) 2,9% (6/206) positivos na PCR Real Time para Rickettsia sp.; b) 1,94% (4/206) positivaram na PCR convencional para o gene glta; c) 1,45% (3/206) para o gene ompA na PCR convencional. Dentre das 289 amostras que reagiram sorologicamente, 12,8% (37/289) soroconverteram para Rickettsia sp.; 8,3% (24/289) para Rickettsia rickettsii; 0,4% para Rickettsia parkeri; 0,4% para Rickettsia bellii. Concluímos com este trabalho que a Rickettsia rickettsii é o provável agente dos casos de FMB na cidade de Itu, estado de São Paulo, pois foram encontrados carrapatos infectados para Rickettsia sp., e foram encontrados animais sorologicamente positivos para a bactéria do gênero Rickettsia rickettsii e Rickettsia parkeri.
Descrição
Palavras-chave
Cães, Carrapatos, Imunofluorêncencia Indireta
Citação
CARVALHO, T. R. V. Pesquisa sorológica em cães e pesquisa molecular em carrapatos para febre maculosa brasileira no município de Itu - SP. 2017. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária e Bem Estar Animal) — Universidade Santo Amaro, São Paulo, 2017.
URI