Avaliação da técnica de termografia por infravermelho para diagnóstico e acompanhamento clínico de alterações articulares crônicas em cães

Imagem de Miniatura
Data
2020
Autores
Henrique, Daniela Carvalho Ribeiro Loureiro dos Santos
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Editor
UNISA
Resumo
Esta pesquisa teve por objetivo a avaliação da termografia por infravermelho para o diagnóstico e acompanhamento clínico de alterações articulares crônicas em cães. Para o estudo, foram selecionados 31 animais, de diversas raças, pesos e idades, divididos em 2 grupos: cães hígidos (N=17) ou com Doença Articular Degenerativa (DAD; N=14). Todos os animais passaram por avaliação clínica que incluiu anamnese, exame físico geral e específico do sistema osteoarticular. Adicionalmente, exames complementares de imagem foram empregados para confirmação do diagnóstico definitivo no grupo de animais com DAD. Todos os cães foram submetidos à perimetria dos membros torácicos e pélvicos, goniometria das articulações úmero-radio-ulnares, rádio-cárpicas, fêmur-tibio-patelares e tíbio társicas, tanto em flexão quanto em extensão, além da análise termográfica de todas as articulações (FLIR® E40, EUA). Os dados gerados foram submetidos à análise estatística descritiva, além de análise de variância e teste de correlação para determinação das possíveis associações entre os achados do exame clínico ortopédico e os resultados do termograma articular. Não foram observadas variações significativas para a angulação dos membros torácicos comparados aos animais hígidos e portadores de DAD;, no entanto, a capacidade de flexão (P=0,0453) e extensão (P=0,0058) da articulação tíbio-társica direita e flexão da articulação tíbio-társica esquerda (P=0,0354) foram influenciadas pela existência de doença articular prévia. Não foram observadas diferenças significativas para a temperatura das diferentes articulações pesquisadas quando comparados os termogramas de animais hígidos e portadores de DAD, exceto para a mensuração termográfica da face cranial da articulação rádio-cárpica esquerda, que apresentou temperatura mais baixa (28,57±0,82) para animais com distúrbios articulares (p=0,0121) enquanto para animais saudáveis foi de 30,88±0,38. Frente aos achados, concluiu-se que a termografia por infravermelho não representou uma técnica eficiente para o diagnóstico e identificação de doenças articulares crônicas em cães.
Descrição
Palavras-chave
Articulação, Canino, Doença articular
Citação
HENRIQUE, D. C. R. L. S. Avaliação da técnica de termografia por infravermelho para diagnóstico e acompanhamento clínico de alterações articulares crônicas em cães. 2020. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária) — Universidade Santo Amaro, São Paulo, 2020.