O jornal a Folha de São Paulo e o impeachment da presidente Dilma Rousseff: uma análise dos sentindos das capas nas edições de domingo

Resumo
O jornalismo tem uma importante função social, não apenas de informar, mas de ser os olhos atentos da sociedade, investigando, apurando e publicando informações de relevância pública, prezando pelo cumprimento da prática jornalística e da ética profissional, sem que os interesses pessoais e/ou de organizações sejam privilegiados. Este trabalho tem por objetivo investigar os valores que emergem do posicionamento do jornal paulista Folha de S. Paulo em relação ao período do processo de impeachment da, até então, presidente Dilma Rousseff, o qual aconteceu entre os meses de maio e agosto de 2016. O estudo está ancorado na teoria da semiótica de linhagem francesa, desenvolvida pelo linguista lituano Algirdas J. Greimas, a fim de analisar e desvendar os sentidos que são produzidos por meio das capas nas edições dominicais do jornal Folha de S. Paulo, durante todo o processo de apuração até o momento de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Foi observado nas considerações finais, que o jornal instalou valores que permeiam a manipulação do leitor, fazendo-o crer que a figura da Dilma Rousseff é inferior a do Temer, em relação a posicionamentos que foram analisados com base na teoria do percurso gerativo de sentido.
Descrição
Palavras-chave
Impeachment, Dilma Rousseff, Jornalismo, Percurso Gerativo de Sentido
Citação
REIS, Raquel. O jornal a Folha de São Paulo e o impeachment da presidente Dilma Rousseff: uma análise dos sentindos das capas nas edições de domingo. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social: Jornalismo) — Universidade Santo Amaro, São Paulo, 2016.